Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

Informação

Devido a um problema que tenho neste momento na Internet e no meu computador, não me é possível colocar aqui outros "posts", com a frequência que queria.
Por este facto peço desculpa, mas mal possa voltar ao activo aqui estarão novos "posts", que espero sejam do vosso agrado.
Até lá fiquem bem e vão passando, pois a qualquer momento, tudo estará em condições.
Abraço e continuação dum bom dia.
Muito obrigado pela vossa visita.
Paulo Zananar
publicado por paulozananar às 11:58
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Abril de 2007

Saúde - "Beauty Comes Of Age"

undefinedNuma sociedade que associa a Beleza à Juventude através de conceitos anti-idade e ideais estereotipados, um estudo internacional* quis compreender qual a influência que estes factores exercem nas mulheres do mundo actual e de que modo afectam a sua auto-estima, a sua auto-imagem e a forma como a sociedade as percepciona.

Em todo o mundo, mulheres acima dos 50 anos foram inquiridas sobre o envelhecimento e as mudanças que dele advêm a nível de beleza, importância social, realização pessoal, sexualidade, aparência e nas expectativas que a sociedade impõe.
 
 
“O envelhecimento torna-nos invisíveis…”

A não utilização de mulheres acima dos 50 anos nas revistas, em secções dedicadas a moda e beleza faz com que estas se sintam “invisíveis”. Com maior incidência junto das Italianas, Alemãs, Canadianas e Americanas (%), este sentimento é expresso por cerca de 60% do total das inquiridas.
Estas afirmam, que este tipo de meios funcionam como um reflexo da população e ao folheá-los, se poderia pensar que não existem mulheres acima desta faixa etária, salvo algumas celebridades que desafiam estas concepções.
Ainda que algumas personalidades se destaquem, de uma forma geral, as mulheres com mais de 50 anos não estão habituadas a se ver representadas nos media, na política e na cultura dos seus países.

 

“Idade Ideal de Beleza”

De acordo com a perspectiva da sociedade e da cultura de cada país, as mulheres são mais atraentes e desejáveis quando atingem a faixa etária dos 30 anos. Esta convicção tem algumas variações, nos EUA e no Reino Unido a idade ideal é mais baixa – 29 e 30, enquanto que em Itália, França e Japão este auge é reconhecido mais tarde – 34, 35 e 36 respectivamente.
Esta variação regional pode ser determinada por ícones locais que mantenham a sensualidade após a “meia-idade”, como é o caso da italiana Sophia Loren ou de Ségolène Royal, a actual candidata a primeiro-ministro em França.
Ainda assim, 10% das mulheres sentem-se mais atraentes na sua idade actual, enquanto que 4% das inquiridas acredita que este ideal chega aos 50 anos.
O estudo revelou ainda, que a maioria das inquiridas consideram que a sociedade é menos permissiva para com as mulheres com mais de 50 anos do que com as mais jovens, especialmente em questões ligadas à exposição do corpo. Sendo que, as Americanas e as Canadianas são as mais conservadoras em oposição às culturas latinas. 
 

 
Preconceitos e Estereótipos

A sociedade nutre uma visão distorcida das mulheres acima dos 50 anos, fomentando (pre)conceitos relativos a uma falta de produtividade e ineficiência, a um menor cuidado com a aparência, a uma passividade na vida social e sobretudo à exclusão do que é considerado Belo por ultrapassar a “idade ideal” de Beleza.

Estes estereótipos são mais flagrantes quando se compara o sexo feminino e o masculino.
Os homens acima dos 50 anos são considerados distintos, elegantes e charmosos, enquanto as mulheres, são vistas como tendo ultrapassado o seu auge.

Esta visão que a sociedade tem sobre as mulheres acima dos 50 anos influi no próprio processo de envelhecimento, pois a maioria das mulheres inquiridas acredita nestes estereótipos – uma tendência que se revelou mais evidente nas mulheres alemãs.

 

“O Paradoxo do Envelhecimento”

As mulheres entre os 50 e 64 anos debatem-se diariamente com as suas próprias percepções sobre envelhecimento, mantendo uma relação ambivalente com a idade. Apesar de 86% das mulheres terem orgulho em a expressar, 91% afirma que gosta de ser considerada mais jovem.
As inquiridas assumem a sua idade, mas preocupam-se com os aspectos físicos e psicológicos inerentes ao envelhecimento, sendo que, 79% nunca mentiu ou evitou revelar quantos anos tem, enquanto 69% reconhece que a sociedade prefere esconder a celebrar a idade.
Mais de metade destas mulheres admite que a ideia de envelhecer não as inquieta – principalmente Italianas e Mexicanas – contudo, ao mencionar certos aspectos específicos do envelhecimento, a grande maioria revela grandes preocupações, como a morte de entes queridos e a diminuição de capacidades físicas e psíquicas. A grande maioria assume que se preocupa com as alterações físicas, nomeadamente na pele, no cabelo e no corpo como o aumento de peso, os cabelos brancos e a flacidez da pele, sendo as brasileiras as que mais afirmam recorrer a cirurgias plásticas.
Condicionadas pelo olhar crítico da sociedade, 80% destas mulheres admitem alterar alguns hábitos (como ir à praia, usar roupas mais reveladoras ou serem fotografadas) por se sentirem desconfortáveis com as mudanças que advêm da passagem do tempo.

 

“Não reflicto os estereótipos da minha idade”

As mulheres de 50 anos da actualidade pertencem a uma nova geração, mantêm um espírito muito jovem, descrevem-se como amadas, felizes, activas, valorizadas e 87% acredita ser demasiado nova para ser velha.
A maioria defende ser uma mulher diferente da sua mãe nesta idade: são financeiramente independentes, cuidam da sua saúde e do seu visual, ocupam cada vez mais e durante mais tempo, lugares de destaque no mercado de trabalho, têm consciência da sua cidadania, mantêm o ritmo da sua vida social (saídas com as amigas, viagens) e são sexualmente activas – 40% das inquiridas admite usufruir mais da sua vida sexual do que quando era jovem.
As inquiridas defendem que é importante cuidarem de si para poderem envelhecer de modo saudável, mantendo a sua qualidade de vida, no entanto, nem todas consideram necessário visitar regularmente o médico.
Relativamente à aparência, estas mulheres sustentam que é mais importante cuidar e manter a sua imagem que disfarçar ou alterá-la.

 

“Mudanças desejadas na sociedade, nos media e na indústria de cosmética”

Sensivelmente todas as inquiridas consideram que está na altura de se alterar a visão que a sociedade apresenta sobre as mulheres e o envelhecimento. 91% afirma que os media e a publicidade deviam utilizar imagens mais representativas das mulheres de 50 anos e 75% declara que a publicidade anti-envelhecimento as retrata de forma irrealista.
Acima de tudo, estas mulheres afirmam que gostavam de ver a sua essência e o seu valor representados de forma real na sociedade e na cultura em geral.

 

in www.sapo.pt   * Estudo internacional » A Dove desenvolveu o Dove Global Study 2006 “Beauty Comes Of Age”, em parceria com o Grupo StrategyOne, uma firma de Consultadoria e pesquisa aplicada, em colaboração com o Dr. Robert N. Butler (Centro Internacional de Longevidade) e com aconselhamento da Dr.ª Nancy Etcoff (Universidade de Harvard), e da Dr. Susie Orbach (Departamento de Sociologia da London School of Economics).

tags:
publicado por paulozananar às 15:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Escola - Criancinhas

Um dia destes, vão ser os paizinhos a ir parar ao hospital com um pontapé e um murro das criancinhas no olho esquerdo. 
 
A criancinha quer Playstation. A gente dá.

A criancinha quer estrangular o gato. A gente deixa.

A criancinha berra porque não quer comer a sopa. A gente elimina-a da ementa e acaba tudo em festim de chocolate.

A criancinha quer bife e batatas fritas. Hambúrgueres muitos. Pizzas, umas tantas. Coca-Colas, às litradas. A gente olha para o lado e ela incha.

A criancinha quer camisola adidas e ténis nike. A gente dá porque a criancinha tem tanto direito como os colegas da escola e é perigoso ser diferente.

A criancinha quer ficar a ver televisão até tarde. A gente senta-a ao nosso lado no sofá e passa-lhe o comando.

A criancinha desata num berreiro no restaurante. A gente faz de conta e o berreiro continua.

Entretanto, a criancinha cresce. Faz-se projecto de homem ou mulher.

Desperta.

É então que a criancinha, já mais crescida, começa a pedir mesada, semanada, diária. E gasta metade do orçamento familiar em saídas, roupa da moda, jantares e bares.

A criancinha já estuda. Às vezes passa de ano, outras nem por isso. Mas não se pode pressioná-la porque ela já tem uma vida stressante, de convívio em convívio e de noitada em noitada.

A criancinha cresce a ver Morangos com Açúcar, cheia de pinta e tal, e torna-se mais exigente com os papás. Agora, já não lhe basta que eles estejam por perto. Convém que se comecem a chegar à frente na mota, no popó e numas férias à maneira.

A criancinha, entregue aos seus desejos e sem referências, inicia o processo de independência meramente informal. A rebeldia é de trazer por casa. Responde torto aos papás, põe a avó em sentido, suja e não lava, come e não limpa, desarruma e não arruma, as tarefas domésticas são «uma seca».

Um dia, na escola, o professor dá-lhe um berro, tenta em cinco minutos pôr nos eixos a criancinha que os papás abandonaram à sua sorte, mimo e umbiguismo. A criancinha, já crescidinha, fica traumatizada. Sente-se vítima de violência verbal e etc e tal. Em casa, faz queixinhas, lamenta-se, chora. Os papás, arrepiados com a violência sobre as criancinhas de que a televisão fala e na dúvida entre a conta de um eventual psiquiatra e o derreter do ordenado em folias de hipermercado, correm para a escola e espetam duas bofetadas bem dadas no professor «que não tem nada que se armar em paizinho, pois quem sabe do meu filho sou eu».

A criancinha cresce. Cresce e cresce. Aos 30 anos, ainda será criancinha, continuará a viver na casa dos papás, a levar a gorda fatia do salário deles. Provavelmente, não terá um emprego. «Mas ao menos não anda para aí a fazer porcarias».

Não é este um fiel retrato da realidade dos bairros sociais, das escolas em zonas problemáticas, das famílias no fio da navalha? Pois não, bem sei. Estou apenas a antecipar-me. Um dia destes, vão ser os paizinhos a ir parar ao hospital com um pontapé e um murro das criancinhas no olho esquerdo. E então teremos muitos congressos e debates para nos entretermos.
 
Miguel Carvalho in "A DEVIDA COMÉDIA" in www.visão.pt
tags:
publicado por paulozananar às 14:53
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Curiosidades - Atraso de ...

. Importante - 'Homejacking...

. Curiosidades - Professore...

. Escola - Ministra rejeito...

. Curiosidades - Descoberta...

. Rali- Rali do Japão

. Saúde - Aftas O que as pr...

. Importante - Investigador...

. Importante - FIM aprova A...

. Ralis - Oportunidade de o...

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. curiosidades

. desporto

. desporto motorizado

. desportos motorizados

. escola

. importante

. informação

. nutrição

. ralis

. saúde

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds